Pedra d´Armas do portão e sua heráldica

Esta pedra de Armas, no portão do Paço de Lanheses, tem representados os seguintes apelidos:
Cirne ou Cyrne, Pereira, Peixoto e Castro. E ao centro, no "sobre-o-todo", também chamado "ponto-de-honra" ou "coração" tem o de Abreu.
Assim, coincidente com a data do fim das obras de melhoramento deste solar, das quais este muro que rodeia o terreiro da entrada seria das últimas fases, vemos que seria o brasão usado por: Sebastião de Abreu Pereira Cirne Peixoto, Senhor de Vila Nova de Lanheses e do Paço de Lanheses, Alcaide-mor de Ferreira, Comendador de da Ordem de Cristo. (O que está totalmente de acordo e em consonância da lógica que teria de pertencer ao filho morgado daquele que antes tinha dado o nome para o brasão d´armas, aqui igualmente abordado, colocado por cima das escadas principais, já dentro do referido terreiro) .

Pedra d´Armas da entrada e sua heráldica

Esta pedra de Armas, na escadaria da entrada do Paço de Lanheses, tem representados os seguintes apelidos:
Abreu, Castro, Brito e Pereira.
Assim, coincidindo com a data em que foi feito uma grande obra de remodelação deste solar, depreende-se que seria o brasão usado por: Francisco de Abreu Cirne Pereira de Brito, Senhor do Paço de Lanheses, Comendador da Ordem de Cristo e Governador do castelo de Viana do Castelo.

- http://www.geneall.net/P/per_page.php?id=210561

Peregrinação de grupo de jovens - Lanheses a Santiago - 2010

Três vídeos da Peregrinação Compostelana que um grande grupo de jovens de várias nacionalidades, Espanha, Itália e Portugal, assistidos por padres missionários claretianos, fez desde a freguesia de Lanheses a Santiago de Compostela, no ano de 2010.
Dormiram na Escola do Secundário C+S de Lanheses, atravessaram o Rio Lima, no Lugar da Passagem em Geraz do Lima, visitaram o Paço de Lanheses onde tiraram uma fotografia geral que aqui se pode ver, em dois deles, e depois seguiram o percurso indicado no livro "a Caminho de Santiago", editado pela Lello, até Santiago depois de cruzar Vigo.




http://claretgazteak.wordpress.com/2010/07/22/la-pastoral-juvenil-claretiana-en-el-camino-de-santiago/
.

Paço de Lanheses - Património Nacional

Discrição e etapas preparadas pelo IGESPAR - instituto de gestão do património arquitectónico e arqueológico(ex IPPAR)
*Quinta e Paço de Lanheses, outra designação é Solar de Lanheses
Situação Actual
Em Vias de Classificação
Teve:
- Despacho de abertura de 9-07-1993 do Vice-Presidente do IPPAR.
- Proposta de 12-09-2005 da DRPorto.
- Parecer favorável de 23-04-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. (em vigor após publicação no DR), que diz o seguinte:
" que ao Paço de Lanheses se reconhece valor cultural que lhe confere uma importância qualificativa no âmbito do património Português. Isto é, como testemunho identifica uma memória histórica-social que representa uma corrente arquitectónica, artística que se destaca no contexto nacional pela sua exemplaridade, e porque ao longo do tempo, conservou os seus valores originais, de autenticidade e integridade.
(resumindo) O Paço de Lanheses tem um significado cultural que é memória e identidade Portuguesa."

Dom Luiz Francisco de Almada e "Viver no Campo".


Em dia combinado tivemos o gosto de conhecer a simpática Joana Leitão de Barros e sua fabulosa equipa para a entrevista, ao meu saudoso pai, aqui no Paço de Lanheses, que é esta (publicada na revista "Viver no Campo, n.º 4, em Setembro de 1997):






"Campo de Fora" em Lanheses


Em lavoura no "Campo de Fora" do Paço de Lanheses, ao fundo.
Praticado nesse dia, há cerca de 3 anos, pelo nosso caro "João caseiro" - João Malheiro - com amor e carinho pela "sua" terra como só ele tinha e a família ainda tem.
Bem-haja e saudade. Lourenço d´Almada

Rhododrendon Secular, no Paço de Lanheses

O nosso amigo “lanhesense” Remígio Costa ao longo dos anos da sua papelaria (hoje com outro proprietário) assistia ao desabrochar desta fantástica e invulgar árvore pelo seu tamanho e beleza das sua flores.
Hoje, já distante dessas lides ao balcão, com um merecido descanso e mais disponível para outros horizontes, resolveu criar um simpático blogue onde aborda assuntos contemporâneos, regionais e locais.
Muitos deles sobre Património e Natureza, ao que se nota que é sensível e entendido.
É precisamente num desse artigos que, felizmente para nós, se lembra de escrever sobre esta espécie que tanto o impressionava.
Ao qual gostaria chamar aqui a atenção para o mesmo e, em especial, para os trechos do texto que seleccionei:
“Um arbusto de porte raro para a espécie, em avançado estado de decrepitude, resiste ao tempo e continua a florescer, sob as copas frondosas de duas imponentes magnólias, no jardim da Casa do Paço, da família dos Condes de Almada, ao Largo Capitão Gaspar de Castro … em Lanheses”.
“Sendo uma planta que, no seu normal desenvolvimento pode chegar aos 60-70 cm, (raramente atinge três metros de altura), os ramos desta que aqui divulgamos terá os seus galhos a cerca de dez metros do solo”.
“A curiosidade maior deste arbusto reside, não apenas no seu tamanho descomunal para a espécie mas, principalmente, na sua longevidade, quiçá de alguns séculos”.
“O jardim da Casa do Paço é um espaço privado mas a simpatia e disponibilidade dos seus actuais proprietários permite obter fácil acesso ao recinto, onde existem outras árvores frondosas e muito antigas.
Refira-se que, bem perto deste ancestral arbusto, está implantado o velho pelourinho, símbolo da freguesia de Lanheses, bem menos idoso mas não de menor valor”.


Família Abreu-Coutinho e Almada - Páscoa 2010



Encontro anual com os nossos tios e primos direitos Magalhães de Abreu-Coutinho:

Luísa Castelo-Branco, Madalena Castelo-Branco, Manuel Castelo-Branco, José Luís Castelo-Branco, Mariana Vaz de Almada, Maria Rita de Abreu Coutinho, Madalena de Abreu Coutinho G.Graça, Ana de Abreu Coutinho, Miguel Vaz de Almada, Simão Castro Saraiva, Teresa Principe Almada, Jorge Leal Barreto, Ana de Sousa Coutinho,António De Abreu Coutinho, José Gagliardini Graça, Joao Abreu Coutinho, Salvador Vaz de Almada, Frederico Villar, Luís Manuel de Almada, Tiago Magalhães S. Oliveira,Mafalda de Abreu Coutinho, Catarina Vaz De Almada, Maria Vaz de Almada, Leonor de Abreu Coutinho, Maria Vaz de Almada, Rita Abreu Coutinho, João De Abreu Coutinho,Carolina Soares de Oliveira, Catarina Gagliardini Graça, Francisco Vaz de Almada, Diogo Principe, José Vaz de Almada, Madalena Burnay, Paula de Almada, Inês Castro Saraiva, Filipa Santos Silva, Lourenço Almada, Rita Almada, Maria Rita de Abreu Coutinho Castelo-Branco, Maria Isabel de Abreu Coutinho de Almada, Carlos Gagliardini Graça e Nuno Pedrosa (em baixo)




Um excelente contributo para a História de Lanheses

Edição "Notícias da Frontera",29 de Março de 2010 - ano VI - n.º 59 - assunto:
Artigo recente e muito bem pesquisado sobre este nosso concelho extinto e história dele decorrente, incluindo alguns bem curiosos factos de então que, julgamos nós, são de enorme interesse não só para a família Almada ou local, mas também para muitos de vós:

Crachá do Facebook

partilhar

Seguidores

BlogCatalog